Narrativas Imersivas e a febre dos Jogos Dramáticos

De repente todo mundo se importa com o roteiro nos games! Mas o que gerou isso!? Por que todos os jogos que foram mostrados na E3 deste ano, principalmente os para PS4, parecem terem sido escritos pelo mesmo roteirista?

O começo dessa parada toda:

Não é de hoje que os jogos tem roteiros super trabalhados e com tramas dignas de um clássico da literatura. Jogos como Kingdom Hearts, Final Fantasy, Persona, Red Dead Redemption, Metal Gear Solid , Fallout, Skyrim, Bioshock e vários outros, são excelentes exemplos de roteiros absurdamente trabalhados no mundo dos video games. Não é nenhuma coincidência a maior parte dos jogos que eu citei, que são os jogos que mais me marcaram por seu roteiro, serem jogos japoneses. O povo japonês tem uma característica bem pelicular, pelo menos eu considero isso, de conseguirem se adequar muito bem às novas mídias. Foi assim com os mangás, que hoje tem uma produção inacreditável de variados temas e em quantidades absurdas, o mesmo foi com as animações e não poderia ser diferente com os joguinhos eletrônicos, sem contar que por muito tempo após a queda da Atari, o Japão foi o Poço de Lázaro para esta indústria e consequentemente se tornou polo soberano na produção de jogos aqui neste mundinho fechado.

kojima-san-600x335

Hideo Kojima diretor da série Metal Gear Solid, a.k.a Kojima GOD, a.k.a Kojênio

E todo este tempo fazendo jogos em uma velocidade inacreditável foi essencial para fomentar o mercado de Games no mundo e principalmente serviu de fertilizante para a mente de vários jovens do mundo inteiro que mais para frente se tornariam peças chaves na produção de games no futuro.

A grande virada

Ok, Jean. Mas o que aconteceu de tão importante no mundo dos Video games que foi capaz de transformar God War, que é considerada por muitos uma das séries mais icônica do video games,  deste tipo de jogabilidade:

Para este aqui:

Basicamente o que aconteceu foi a Naugth Dog ter lançado isto: *contém spoilers*

Eu sei que não foi uma simples virada de chave e de repente todos os jogos passaram a ter um tema mais intimista, foi um processo gradual e relativamente lento, apenas calhou de The Last of Us ser a gota que faltava para transbordar esta piscina. Não estou tentando desqualificar os jogos que não tenham um roteiro de mais de 1000 páginas, ainda amo minha cópia de Towerfall, mas é um fato de que alguns jogos estão tendendo para uma experiência de gameplay mais cadenciado e menos “aperte quadrado sem parar!”.

Na minha opinião estamos aprendendo uma nova forma de produzir e consumir jogos eletrônicos, aprendendo o que mais chama atenção, como balancear uma boa jogabilidade e uma história bem cadenciada. É só pensar o que foi para o mundo dos video games o lançamento de Shadow of the Colossus, nós nunca tínhamos visto nada parecido com aquela jogabilidade que te deixava livre para derrubar o seu inimigo colossal de forma incrivelmente excitante e sem a necessidade de qualquer “quicktime event”. Na minha opinião The Last of Us fez exatamente a mesma coisa, só que desta vez a revolução veio com a história, mesmo que algumas pessoas digam que muito do aspecto de “jogo” foi deixado para trás para que a história sobressaísse.

A Naughty Dog testou e aperfeiçoou os moldes de The Last of Us por vários anos enquanto produzia a série Uncharted, tanto Uncharted 4 acabou sendo muito mais próximo ao The Last of Us do que dos seus antecessores da saga do Nathan Drake. Vale a pena lembrar que um ano antes do lançamento de The Last of Us, o jogo Journey foi lançado e também foi uma febre gigante, o que basicamente só preparou ainda mais o terreno para o fenômeno que estava por vir.

E toda essa febre de jogos dramáticos pode ser nitidamente vista principalmente nos jogos que foram anunciados na coletiva do Playstation na E3 deste ano. Dê uma olhada em alguns trailers e diga o que acha:

Tem um post especial de E3 com muitos mais trailers, acesse este link e entenda melhor o que eu disse sobre jogos mais focados no roteiro.

Espero que tenham gostado do texto. Eu sei que ficou longuinho, mas foi de coração. =D

Um beijo de césio na testa e tchau!

13879406_1255831474428653_9070407378118947080_n

Anúncios

Um comentário sobre “Narrativas Imersivas e a febre dos Jogos Dramáticos

  1. Pingback: Nossas postagens do BEDA 2016 | Abraço Radioativo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s